Golden Joker

Mortes, ataques e medo deixam aldeia de onze mil pessoas deserta em Moçambique

  
LIVE      

Golden Joker

Mortes, ataques e medo deixam aldeia de onze mil pessoas deserta em Moçambique

“Primeiro passaram e mataram duas pessoas, passaram em redor da aldeia, passou um dia, no dia seguinte passaram de novo e mataram seis pessoas e queimaram um cubículo do hospital e da escolinha”, descreve à Lusa Lourenço Ancuara, o chefe da aldeia.

Face a isto, a solução tem sido fugir à pressa, nomeadamente para a vila de Chiùre, hoje o último reduto de alguma segurança nas proximidades. Ainda assim, uma viagem de três dias a pé, por campos agrícolas e estradas, num movimento de milhares de pessoas em simultâneo.

Mmala situa-se no posto administrativo de Chiùre-Velho, o mais afetado pelos ataques terroristas na província de Cabo Delgado nos últimos dias, e dista 50 quilómetros de Pemba, capital provincial, percurso que leva mais de três horas a percorrer de carro, numa estrada em permanente ameaça de novos ataques.

Lourenço Ancuara, acabado de chegar à vila de Chiùre, conta que a aldeia ficou deserta: “Ninguém, todos nós abandonámos lá (…) Tenho lá 11.014 habitantes. E não está ninguém lá, abandonaram. Ninguém trouxe nada, saímos só assim mesmo”.

Chegam a pé, de bicicleta, algumas crianças de poucos anos ainda a dormir, depois de noites de medo.

Os ataques ao longo da última semana deixaram a aldeia, onde todos, nas várias comunidades, se dedicam às machambas da agricultura, vazia.

Por agora, ainda não há esperança de regresso e o chefe da aldeia só pede ajuda para os milhares que fugiram de Mmala para outras povoações: “Ainda não temos apoio, não sei se vão nos dar”.

Em Mujipala, comunidade da aldeia de Mmala, vivia Sousa Américo, um camponês de 40 anos. Ao fim de três dias de caminhada com os cinco filhos e centenas de outras pessoas, chegou a Chiùre.

“Lá não mataram ninguém, só que queimaram as 47 casas. Está tudo vazio (…) Chegámos aqui sem nada, estamos a sofrer de fome e a pedir apoio”, desabafa, ainda à entrada de Chiùre, antes de partir para um dos três campos de reassentamento provisórios em escolas que, segundo dados da autarquia, já recebem atualmente 13.000 deslocados na vila, além dos que procuram abrigo em casas de amigos e familiares.

“Lá ninguém está mais. Está tudo vazio”, descreve, receoso com o futuro, enquanto pede apoio.

“A população de lá está aqui sem nada. Estamos quase no alto mar”, lamenta ainda Sousa Américo.

Mustafa Emílio, de 45 anos, também acaba de chegar a Chiùre, que antes desta onda de deslocados contava com 75 mil habitantes. Chegou à espera de refúgio numa casa de familiares.

“Não conseguimos trazer nada. Saímos sem nada”, desabafa.

Pelo menos, diz-se tranquilo por ter conseguido trazer, numa caminhada de mais de três dias de muitos medos, a mulher, os filhos e as irmãs.

Só não percebe porquê: “Eu não sei o que esses malfeitores precisam. Só nos fazem sofrer”.

Após vários meses de relativo regresso à normalidade nos distritos afetados pela violência armada, a província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, tem registado há algumas semanas novas movimentações e ataques de grupos rebeldes, provocando novas vagas de deslocados.

Na quinta-feira, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse, numa visita a Cabo Delgado, que as novas incursões rebeldes resultam de tentativas de grupos armados de recrutar novos membros, considerando que no mês passado a província registou “muita movimentação de terroristas”.

“Eles não conseguem mais fazer recrutamentos nesta província por muitas razões, a consciência [das populações] e então eles querem ver se furam para trazer outros membros para aqui (…) Eles queriam levar crianças e jovens e não foram felizes”, declarou Filipe Nyusi, momentos após orientar uma reunião do Governo em Pemba, capital provincial.

O primeiro-ministro de Moçambique, Adriano Maleiane, admitiu, entretanto, a necessidade de apoio adicional a Cabo Delgado face à fuga de dezenas de pessoas devido aos novos ataques registados naquela província, situação que está a criar “problemas de alimentação”.

A nova vaga de violência armada na província de Cabo Delgado dominou hoje os discursos de reinício das sessões plenárias do parlamento, com a oposição exigindo que o executivo encontre mecanismos de diálogo com os insurgentes.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou nas últimas semanas vários ataques e vítimas mortais, sobretudo no sul da província de Cabo Delgado.

A província enfrenta há seis anos alguns ataques reivindicados pelo EI, o que levou a uma resposta militar desde julho de 2021, com apoio do Ruanda e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos do gás.

Menino de 2 anos que morreu após desabamento em Japeri será enterrado neste sábado

Temporal deixa mortos no estado do Rio

O , será sepultado neste sábado (24) no Cemitério de Engenheiro Pedreira, mais conhecido como Cemitério do Mucajá, em , na Baixada Fluminense.

A criança estava em um imóvel, junto com a irmã gêmea, na noite de quarta (21).

A casa que desabou na Vila Carmelita, em Engenheiro Pedreira, foi reduzida a escombros. Não sobrou nada.

Moradores contaram que durante a noite a parte mais baixa da Rua Mocambo alagou. Para sair da enchente, Cristiane e o marido levaram os cinco filhos para a casa do cunhado dela, na parte alta.

Quando o casal saiu do imóvel para socorrer a mãe de Cristiane, um deslizamento de terra atingiu a casa. O imóvel desabou e os dois filhos pequenos, Jade e Calebe, ficaram soterrados. Vizinhos tiraram destroços e muito barro, mas o menino foi encontrado sem vida.

Além dele, outras oito mortes foram registradas ao longo do estado do Quatro em .

Mãe desolada

A mãe do menino usou as redes sociais para lamentar a morte do filho nesta sexta-feira (23).

"Deus poderia me levar no seu lugar", escreveu ela.

Cristiane Talita deixou ainda um recado para outras mães.

"Abracem o quanto vocês puderem seus filhos. Hoje tô aqui sem meu pedacinho, a alma gêmea da sua irmã".

"Você foi guerreiro como sua irmã, mamãe não aceita sua partida assim", completa ela.

Um bebê morreu em desabamento de casa desaba em Japeri — Foto: Reprodução

LEIA TAMBÉM:

Calebe Jefferson Veloso Costa — Foto: Reprodução/TV Globo

Avô do pequeno Calebe, Carlos contou que a tragédia poderia ser ainda maior (veja abaixo).

“Eu tenho muito a agradecer a Deus, porque antes de cair aqui, caiu uma parede na minha casa. Eu reuni a família toda para vir para cá, e seriam 10 pessoas aqui dentro. Quando chegamos aqui, o fato tinha acontecido, o povo já estava cavando na unha”, relatou.

Avô de menino morto em Japeri fala sobre o resgate

“Com muita luta, conseguimos tirar a menina [Jade], mas infelizmente o menino [Calebe] demorou mais. Com a queda da casa, da estrutura, quebrou o clipe de gás. Ele aspirou muito gás embaixo desse entulho todo”, lembrou.

“Foi tudo conosco e com Deus, porque infelizmente Japeri é um município que não existe. Nem sequer me chega aqui uma Defesa Civil para coordenar a retirada das vítimas”, lamentou.

Casa onde estava Calebe — Foto: Reprodução/TV Globo

82% das árvores exclusivas da Mata Atlântica podem ser extintas
Golden Joker Mapa do site

1234