Golden Joker

Rio Pinheiros está secando? Governo de SP controla nível da água para evitar alagamento nas marginais em época de chuva

  
LIVE      

Golden Joker

Rio Pinheiros está secando? Governo de SP controla nível da água para evitar alagamento nas marginais em época de chuva

Rio Pinheiros com nível da água abaixo do normal — Foto: TV Globo

Quem passa perto do Rio Pinheiros já deve ter percebido que o nível da água está muito baixo. É possível ver até bancos de areia nas margens do rio. Acontece que isso não é obra da natureza — e não, ele não está secando.

Trata-se de uma ação do governo para evitar transtornos na cidade. A Secretaria do Meio Ambiente explica que está controlando o nível dos rios Pinheiros e Tietê para se prevenir de alagamentos nas marginais durante o período de fortes chuvas na capital.

“Como a gente tem a preocupação com enchentes, a gente normalmente deixa o nível mais baixo [nesta época do ano]. A Empresa Metropolitana de Águas e Energia faz uma reversão para o nível ficar mais baixo", afirmou Natália Resende, secretária estadual do Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística.

A consequência inconveniente da medida é o mau odor nos rios.

"A partir do momento que a gente faz [a reversão], e normalmente quando tem muitas chuvas, a gente vê um carreamento de lixo, de resíduos, inclusive dos afluentes, para o Pinheiros", apontou Natalia.

"Isso é algo que está na própria desestatização, no anexo de São Paulo, tratando os mananciais para a gente melhorar e melhorar também com os municípios, reduzir lixo, melhorar os mananciais", completou.

A pasta informou que, por meio do programa Integra Tietê, foram removidos mais de 1 milhão de metros cúbicos de sedimentos nos rios em 2023, o maior número desde 2016.

Pedro Nuno Santos reitera que o país precisa de um "choque salarial"

“Um choque fiscal retira pressão às empresas. Nós precisamos que as empresas percebam e sintam a pressão necessária para continuar a inovar e a modernizar”, afirmou, para logo reforçar: “O choque salarial cumpre também essa função. Por isso, foi muito importante para nós aumentar o salário mínimo de 505 euros em 2015 para 820 euros em 2024.”

Pedro Nuno Santos falava num comício em Machico, na ilha da Madeira, no qual explicou que o PS defende um “choque de produtividade” e, por consequência, um “choque salarial” ao nível dos salários mínimo, médio e da administração pública.

“Temos de votar PS para o PS ganhar, porque do outro lado o que teremos é um PSD contagiado pelo radicalismo liberal da Iniciativa Liberal e pelo radicalismo populista do Chega”, afirmou, para depois acrescentar: “Nós queremos um Governo liberto do populismo, nós queremos um país liberto do liberalismo radical, nós queremos um país de progresso económico e social que respeite todos.”

O líder socialista criticou, por outro lado, o presidente do PSD, Luís Montenegro, por não se deslocar à Madeira durante a campanha eleitoral para as legislativas antecipadas de 10 de março.

“O meu principal adversário veio cá em setembro passado tentar se colar a uma maioria absoluta [nas eleições regionais], que nunca aconteceu, mas agora que as coisas [não] correram bem é nem vê-lo, não quer sequer aparecer cá”, disse, referindo-se à crise política na região, decorrente do processo que investiga suspeitas de corrupção e que motivou a demissão do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, e a queda do executivo PSD/CDS-PP.

“Mas o problema não é o PSD/Madeira, o Miguel Albuquerque, [o problema] é a obrigação de estar ao lado dos madeirenses e dos porto-santenses”, realçou Pedro Nuno Santos, vincando que, pelo contrário, o PS vem à região em cada ato eleitoral porque respeita os madeirenses e os porto-santenses.

“Para nós Portugal só vale a pena se nós cuidarmos de todas as regiões como sendo regiões de primeira. A Região Autónoma da Madeira é uma região de primeira”, disse, lembrando ter já estado na ilha três vezes desde dezembro de 2023.

“Respeitar o povo, respeitar os madeirenses e os porto-santenses, é por isso que nós não tratamos a Madeira de forma diferente de qualquer região do país, de qualquer distrito do país, era só o que faltava”, afirmou, para logo reforçar: “O país tem 18 distritos e duas regiões autónomas e nós estaremos em todos os distritos em todas esta campanha, porque Portugal para nós é um país inteiro.”

Pedro Nuno Santos disse que o PS “leva sempre a sério a autonomia regional”, que classificou como uma das maiores conquistas do 25 de Abril, e tem propostas para a reforçar, por exemplo através da Lei das Finanças Regionais, da revisão da lei da gestão do mar, da promoção da obra do novo hospital e da extinção do cargo de representante da República.

“A Região Autónoma da Madeira precisa de uma mudança política e de uma mudança económica”, declarou, num discurso que durou cerca de meia hora e no qual manifestou ter orgulho nos últimos oito anos de governação do PS.

O comício em Machico contou com a presença do líder do PS/Madeira, Paulo Cafôfo, cabeça de lista pelo círculo da região autónoma às legislativas de 10 de março, que também criticou o presidente do PSD.

“Luís Montenegro não vem à Madeira porque tem vergonha, tem vergonha do ainda líder do seu partido a nível regional”, disse, sublinhando que “Miguel Albuquerque perdeu a credibilidade e a confiança dos madeirenses, mas também perdeu a credibilidade e a confiança do seu próprio partido”.

Cafôfo afirmou que o presidente demissionário do Governo Regional, que já anunciou a disponibilidade para se recandidatar em caso de eleições antecipadas, continua “agarrado ao poder” para manter a imunidade perante a justiça, no âmbito do processo em que foi constituído arguido.

“O PPD/PSD, sabemos, bateu no fundo, mas o PS/Madeira não permitirá que este PPD que bateu no fundo leve a Madeira para o fundo, porque nós defenderemos esta região”, disse, reforçando que os socialistas pretendem “devolver a decência à política” no arquipélago.

Maraísa posta foto de nariz quebrado em piscina de resort
Golden Joker Mapa do site

1234